Trevo do Prado conta iluminação pública

Mais Segurança e tranquilidade no local Nesta semana, a Secretaria Municipal de Obras e Saneamento reforçou a Iluminação Pública no trevo de acesso ao Prado, na cidade de Rio Pardo. Sabendo que, uma iluminação segura começa com o bom posicionamento dos postes nas vias públicas,e que estes devem ser alocados estrategicamente, o Prefeito Rafael Reis… leia mais, clique aqui »

Melhorias no Bairro Pinheiros

Secretaria de Obras realizou melhorias na canalização de ruas no Bairro Pinheiros Durante toda semana de Páscoa, o Governo Municipal em parceria com a Secretaria de Obras realizou melhorias no sistema de esgotos no bairro Pinheiros e, aos poucos, vai atendendo todas as demandas da comunidade. Na ocasião o problema a ser resolvido eram bueiros… leia mais, clique aqui »

SOLAR DO ALMIRANTE ALEXANDRINO DE ALENCAR

O Museu   Situado na Rua Almirante Alexandrino, nº 1096, trata-se de um prédio tombado. Construído em 1790, por Mateus Simões Pires, um dos primeiros açorianos a chegar em Rio Pardo, é um sobrado de arquitetura colonial, construído em barro e madeira numa pequena elevação perto de dois metros acima da rua. Alexandrino de Alencar… leia mais, clique aqui »

Rua da Ladeira e sua história

 Uma rua famosa do Rio Grande A Rua Júlio de Castilhos é uma das primeiras vias pavimentadas no Rio Grande do Sul. Inicialmente chamada de Rua Direita, foi sucessivamente chamada Rua do Imperador e Silveira Martins, atualmente Júlio de Castilhos. A pavimentação foi executada por escravos, no ano de 1813, com pedras retiradas do rio… leia mais, clique aqui »

QUILOMBO BELA CRUZ.

RIO PARDO E A HISTÓRIA DO RS No Rio Grande do Sul a influência afro inicia-se em 1809, quando da criação dos quatro primeiros municípios da Capitania de São Pedro do Rio Grande do Sul. Rio Pardo abrangia grande parte deste território, e, por seu caráter comercial e localização geográfica teria facilidade em incorporar ou… leia mais, clique aqui »

Aldeia São Nicolau

CAPELA SÃO NICOLAU São Nicolau foi um aldeamento indígena que Marcelino Figueredo, governador da Capitania, arranchou nos arredores de Rio Pardo e, até 1824 conservaram os índios, sendo a maior preocupação era fazer uma igreja para índios. Nestes tempos, dito por viajantes em Rio Pardo a língua guarani era de uso tão comum como a… leia mais, clique aqui »